Eclipse, Mythology and Astrology explained

I am quoting another writer here
//Do you realize that in ancient times, astrologers were beheaded for not alerting the emperors in advance about eclipses? Eclipses were taken as negative omens. It’s true, they’re not the greatest days for important new beginnings or advancing one’s material affairs. On the other hand, there is really no need to make them into dreaded events. In fact, eclipses are wonderful for introspection, meditation, cleaning house, letting go of old baggage, quiet time or any other spiritual pursuit. The idea of paying attention to eclipses, or any astrological event for that matter, is simply to harmonize your action with the astrological weather.

Eclipses can be used on different levels as well. The most common way to use an eclipse in astrology is as an omen or sign portending global trends or events. Typically, because the eclipse is caused by a shadow passing across the…

View original post 562 more words

Advertisements

Hna. Cecilia de la Santa Faz: una sonrisa sin final

Teresa, de la rueca a la pluma

El 23 de junio de 2016 nos dejaba la Hna. Cecilia de la Santa Faz, carmelita descalza del Monasterio de Santa Teresa y San José de Santa Fe (Argentina). Al cumplirse un año de su partida, tras una penosa enfermedad, recordamos su vida y damos gracias a Dios por su testimonio, por su sonrisa hasta el final, por la certeza, que ella nos supo transmitir, de que nada nos podrá apartar del amor de Cristo (Rom 8, 39).

A quienes aún no la conozcáis, os invito a hacerlo,  a través de estos videos, con testimonios sobre su trayectoria y personalidad. A quienes la conocéis, os invito a dar gracias a Dios, por colocar a nuestro lado a personas que, como la Hna. Cecilia, son una luz en nuestro – a veces– tambaleante caminar. Gracias por ella, Señor.

View original post

Interview de la Mère Marie-Madeleine de Jésus, prieure du monastère de saint Joseph et sainte Thérèse

Cecilia María de la Santa Faz

Première partie : comment était Cécile-Marie

Quels souvenirs avez-vous de sœur Cécile-Marie à l’époque de son entrée au carmel de Santa Fe ?

Sœur Cécile-Marie est entrée dans notre communauté le 8 décembre de 1997 à 24 ans. Ce dont je me souviens le plus, c’est de la visite qu’elle nous rendit avec son père, alors qu’il restait peu de temps avant son entrée. Elle était si affable et tendre à son égard. Ce même rapport, si proche et fraternel, elle l’a eu dès le début avec chaque sœur. Sa manière d’être était très naturelle et humaine. Elle était capable de sortir d’elle-même, comme le jour de son entrée quand elle dit à l’un de ses frères au moment du départ : « ne manque pas de faire ton lit tous les jours ! ». Sa gratitude permanente attirait l’attention.

Pourriez-vous nous dire pourquoi elle choisit le nom de Cécile-Marie de la Sainte Face ?

Quand elle…

View original post 5,675 more words

Hilary Mantel: escritoras devem parar de empoderar falsamente mulheres na história

Boullan - Tudo sobre Ana Bolena e a Era Tudor

Os escritores devem parar de reescrever a história para tornar suas personagens femininas falsamente ’empoderadas‘, disse Hilary Mantel. Romancista vencedora promênio Man Booker, disse que escrever sobre as mulheres na história tem sido uma dificuldade persistente para seus contemporâneos, que não conseguem resistir em tornar mulheres na história fortes e independentes. “Qualquer um que exagere sobre a diferença entre o papel dos homens e das mulheres em certos períodos históricos deve“, ela disse,“tentar procurar outro emprego”.

Mantel questionou se os escritores devem ‘retrabalhar a história para que as vítimas sejam as vencedoras’:

“Muitos escritores de ficção histórica se sentem atraídas para as ‘histórias não contadas’. Eles querem dar uma voz para aqueles que foram silenciados. A ficção pode fazer isso, porque se concentra no que não está nos registros. Mas devemos ter cuidado quando falamos pelos outros. Se escrevemos sobre as vítimas da história, estamos reforçando…

View original post 298 more words

Diário, 19 de Maio de 1536

Boullan - Tudo sobre Ana Bolena e a Era Tudor

inha querida Elizabeth,
A última vez que te vi tinhas tu, minha doce filha, apenas três anos. Eras bela como uma boneca e tinhas o gênio mais meigo que já vi numa criança. Recordo esse dia, pois o sol da Primavera entrava pela janela dos teus aposentos e o teu vestidinho de cetim vermelho parecia incendiado de tanta luz, quando te aproximaste de mim, de braços estendidos. Talvez não recordes esses primeiros anos, porém Elizabeth, não minto quando te digo que embora o tempo que passámos juntas fosse infelizmente escasso, conhecias-me e amavas-me. Amavas-me de um modo tão possessivo, que esse sentimento me parecia estranho, vindo de uma criança tão pequena. O meu colo servia-te de trono e era eu o teu único súdito. Quando aí, te encontravas exigias toda a minha atenção e não permitias qualquer interferência. Eras tu que me ordenavas que canções cantar, que histórias contar, que…

View original post 653 more words

ECOLOGIA DE BORBOLETAS MORPHO

Morpho

Borboletas Morpho habitam unicamente a região Neotropical, formada pela América do Sul, América Central, Caribe, sul do México, parte da Califórnia e o sul da Flórida. É uma borboleta que pertence a família Nymphalidae, subfamília Morphinae e que inclui 3 tribos; Amathusiini com cerca de 15 gêneros; a Tribo Brassolini com cerca de 19 gêneros, e a Tribo Morphini. Esta tribo contém apenas 3 gêneros; Antirrhea (com cerca de 11 espécies), Caerois (com duas espécies) e Morpho com cerca de 29 espécies e 147 subespécies. São borboletas que são encontradas com mais frequência na América do Sul, e México. As Morphos tem uma envergadura no mínimo 7,5 cm, embora haja registros da espécie Morpho rhodopteron com 20 cm (Young, 1971).

Pupae

A maioria das borboletas do gênero Morpho são de coloração metálica cintilante com tons de azul, violeta e verde. Essa coloração pode se dar de duas formas, que…

View original post 5,316 more words